Você está aqui
Home > 2016 > NOVA CENTRAL REFORÇA A LUTA CONTRA AS MP’S 664 E 665

NOVA CENTRAL REFORÇA A LUTA CONTRA AS MP’S 664 E 665

fig34xy

Diretores Nacionais da Nova Central reuniram – se com o Senador Paulo Paim (PT-RS) segunda-feira (25/5) para tratar das mudanças realizadas nas Medidas Provisórias 664 e 665 e o PLC 30/2015, que “Dispõe sobre os contratos de terceirização e as relações de trabalho deles decorrentes”.

A reunião ocorreu com a presença do consultor legislativo do Senado Federal, Luiz Alberto que esclareceu sobre as mudanças propostas para as MPs além de afirmar que o governo estima economizar R$ 18 bilhões por ano com as medidas a partir deste ano. Juntas, as medidas já receberam mais de 750 emendas e serão examinadas em uma comissão mista especial antes de serem submetidas aos plenários da Câmara e do Senado.

“Somos todos contra as MPs 664 e 665, pois é difícil aceitar este pacote de maldades baixado sobre os ombros da classe trabalhadora. A meu ver muita gente seja prejudicada”, reforçou Moacyr Roberto secretário geral da Nova Central e presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade (CONTRATUH).

“Esta é uma situação complicada para nós, por isso não podemos voltar atrás em nossa posição contrária as essas MPs, pois o que de fato esta em questão é a vontade de se cortar verbas destinadas aos serviços e desoneração da folha, prejudicando com isso os trabalhadores, sendo que seria necessário analisar a má gestão feita com recursos públicos. Solicito que o senador Paim deixe – as caírem por decurso de prazo”, sugeriu João Domingos presidente da Confederação dos Servidores Públicos do Brasil (CSPB) e diretor Financeiro da Nova Central.

Ao final, além da Nova Central, por unanimidade todos os representantes das demais centrais e confederações disseram “NÃO!” as MPs e se comprometeram a entregar um documento, onde afirmam serem contrárias às medidas de ajuste fiscal, por não correspondem as expectativas, não trazer nenhuma segurança efetiva para aproximadamente 40 milhões de trabalhadores (as) representados pelas entidades.

NCST

Deixe uma resposta

Top