Você está aqui
Home > 2016 > junho

SEM VAGA, PRESO VAI PARA CASA

A decisão é do Supremo Tribunal Federal é que o sentenciado deve cumprir a pena em regime mais benéfico sempre que não houver vaga em unidade prisional. A situação de cada preso será definida, no entanto, pelo juiz da execução penal. Por esse entendimento, por exemplo, a falta de vaga

REAJUSTE DO JUDICIÁRIO

O Senado aprovou reajuste salarial de até 41,47% para os servidores do Judiciário e de 12% para analistas e técnicos do Ministério Público da União. O projeto segue para a Câmara.Fonte: CORREIO DA PARAÍBA

PREVIDÊNCIA SÓ MUDA APÓS ELEIÇÃO

De olho nas eleições de outubro e no impeachment, o governo Temer adiou a definição da reforma, mas diz que o projeto sai este ano. Não houve acordo com centrais sindicais, que não aceitam idade mínima.Fonte: CORREIO DA PARAÍBA

O CUSTO DOS ACIDENTES NA PARAÍBA

 Na Paraíba, despesas médicas e as indenizações pagas por seguradoras em 13.100 casos de invalidez causados por acidentes no trânsito e morte de 917 pessoas, em 2015, atingiram R$ 2,69 bilhões.Fonte: Jornal Correio da Paraíba

Parecer sobre financiamento da atividade sindical poderá ser votado em Julho

A audiência pública realizada nesta terça-feira (21/6) na Câmara dos Deputados com membros da Comissão Especial sobre Financiamento da Atividade Sindical discutiu o relatório final do deputado Bebeto (PSB-BA), foi acompanhada pelo presidente Nacional da Nova Central, José Calixto Ramos e o secretário-geral Moacyr Roberto e o diretor de Comunicação

Relator da Comissão Especial debate ajustes para apresentar relatório final

Nesta segunda-feira (20/6), o deputado federal Adalberto Souza Galvão (Bebeto PSB-BA) se reuniu com sindicalistas da Nova Central, Força Sindical, UGT, CSB, CUT e CTB para debater ajustes no relatório final da Comissão Especial sobre Financiamento da Atividade Sindical, que propõe nova contribuição a ser paga mensalmente tanto de

Financismo pretende sufocar os serviços de saúde, educação, previdência e demais direitos republicanos

As tentativas de reação política em torno da estratégia do afastamento de Dilma Roussef remontam ao dia seguinte da divulgação dos resultados do pleito de outubro de 2014. As forças que haviam sido derrotadas nas eleições presidenciais passaram imediatamente a perseguir aquilo que passou a ser conhecido como o “terceiro

Top